terça-feira, 28 de dezembro de 2010

[Sob]sobre o que não quero.

  Eu reclamo da vida, acordo de mau humor, falo demais as vezes e sinto nervos a flor da pele. Quem também não? Tão comum. Acho surreal e talvez até bonito quem tem um equilíbrio pleno pra qualquer situação, sabe lidar com adversidades com a melhor paciência e está sempre bem. Acho triste, feio, deprimente, aquele passa o dia resmungando, encontrando defeito na mais mínima das coisas e que, pior ainda, acha que tudo de errado que acontece consigo é uma injustiça tremenda.
  Chamo de egoísmo, pessoas egoístas. Tá aí uma das coisas que mais repugno, são as pessoas “umbigo do mundo”. E não há quem me faça compreender esse pensamento tosco que elas têm em querer mudar tudo em prol de si, como se cada acontecimento, cada suspiro, fosse voltado pra sua ordem, e como não é possível que seja sempre como seus maravilhosos gostos, claro, elas reclamam, reclamam, agridem, reclamam... Convivo de perto com exemplos desses e, sério, tenho vontade de explodir todas as vezes e discursar um milhão de verdades, só que aí me aproximo mais dos equilibristas, na corda bem bamba, mas equilibrista.
  Assistir a esses espetáculos serve demais pra mim. Por eu ter acompanhado de perto desde mais nova com um bom tipo (e outros mais) desses, acabei tomando isso como algo que não quero ser, que não quero pra mim. Quando eu me vejo ranzinza por um segundo já lembro logo do exemplo a não ser seguido. Acredito que isso sirva até como amadurecimento. É que quando a gente conhece o outro lado e sabe discernir como negativo, a gente passa a aprender com isso, ou seja, entendemos onde estamos pisando e qual efeito isso pode causar não só nos outros como em nós mesmos.
  Eu funciono assim, no momento em que vejo que estou extrapolando penso logo “Epa! Controle, Tamara. Tá errado desse jeito”. Engolir a seco certas atitudes mundanas e desdobrar-se pra lidar da melhor maneira com elas, faz parte de um bom convívio consigo. Já fui bastante nervosinha, acho que por contágio do meio, e quando vejo o quanto aprendi e mudei fico até aliviada, e feliz. E é bom também ver o que pode ser mudado, ainda tá cedo pra ponto final, aliás, quero estar longe de pontos finais.
  Então, mudando, controlando e revendo conceitos, é meu caminhar, apesar da boa tendência que tenho de me isolar jogando tudo pro ar. Por essas e outras é que tenho mesmo que mentalizar alguns mantras de autocontrole, é certo que eu passe por pequenas implosões e choques elétricos, até porque me enquadro no perfil humano comum, se é que ele existe. Rs.
  Ah, outra coisa! Acredito ainda que toda essa troca da vida tá bem ligada àquela leizinha da ação e retorno, como até já falei aqui no blog sobre. Continua valendo: Semente, fruto e colheita. Ingenuidade ou não, é o que faz mais sentido em meio a esse vasto campo de [in]entendimento dessas forças vitais. Não faz? Mas ainda assim, cada qual com seu próprio pensamento, afinal, são tantas cabeças pensantes... Enquanto eu puder conhecer o errado e o certo e souber diferenciar, vou eu mesma errando, acertando e errando outra vez, pra poder aprender. E que eu fique livre (muito livre) de me igualar a uma mal agradecida e centro do universo.
  Queria lembrar aos outros aquilo que volta e meia lembro a mim, é sobre antes de se questionar o porquê das coisas estarem fora de controle procurar olhar pra si, ver se o problema não está no que faz, em como pensa. Que não pareça ser palavrinhas de autoajuda (acho tão chatinhas), é que tô realmente falando como falo a mim mesma, mesmo que eu tenha um bom desvio de conselheira nas horas vagas. Só quero destacar o que qualquer um deve (ou deveria) saber, é que nada melhora se você não se melhora.

3 comentários:

Carolina disse...

Tamara, que texto bacana!
Eu tbm não suporto esse tipo de gente, que só reclama. São pessoas que conseguem ver coisas negativas, até nas coisas boas conseguem encontrar defeitos. E por isso, se apegam às coisas ruins e se esquecem de viver o lado bom da vida. Parece auto-ajuda sim, mas é interessante e importante. Saber melhorar a si é o primeiro passo ( e o essencial) para melhorar o mundo.

Um beijo, feliz 2011 pra vc!!

Que todos nós possamos ser um pouco melhores nesse próximo ano.

:)

Roberta Blá disse...

Concordo com você. Os nossos principais problemas, sem dúvidas, se encontram dentro nós.
Feliz 2011 para você flor e sim, que a vontade de mudar esteja no coração de todos este ano. Beeeijos

Dave disse...

Ter auto controle, não necessariamente significa ser uma pessoa livre de momentos de explosão e afins. Acho que temos que ser de tudo um pouco. Inclusive loucos. Imagina uma vida onde tudo está extremamente controlado e certinho? Mas que merda seria isso!

Muito bom!

Postar um comentário

Palavras bem-vindas...