sábado, 2 de abril de 2011

Meu desapego é meu 'sossego', meu botequim. ♪

  E eu que costumava ser tão frágil com toda partida, pareço ter encontrado uma saída de fazer as dores adormecerem fácil. Tanto me habituei a esquecer, que agora, muito lamentavelmente, me pego a reclamar de memórias falidas, ou cruas. De qualquer modo, isso acaba em dor. Sinto saudades constantemente, até saudades do que eu não sei. Porém, num desses fluxos instáveis, eu nem me recordo mais. Sem ou por querer, nem devo saber. As vezes fico confusa: melhor ter ou não ter um coração?

3 comentários:

Rebeca Amaral disse...

Às vezes também me faço esses mesmos questionamentos. E é triste dizer, mas nunca chego a uma resposta satisfória. Acho que na realidade é assim mesmo, não tem explicação em tão aparente "ausência de sentimentos". Mas a verdade é que temos um coração sim, e ele pulsa muita luz.
Temos que encontrá-la primeiro.

Andei sumida, flor... Mas não esqueci desse cantinho que adoro. E tenho que dizer que seus textos estão maravilhosos, tenho me encontrado em cada letrinha! Desculpa a ausência, viu.

Um beijo.

Cristiano de Almeida Pinto disse...

Sentimentos? Para que? Às vezes o desapego é só o que resta! E não se preocupe todos nos temos uma falta de sentimentos, só queremos esconder isso, são poucos que admitem não ter.
Sou seu fã e depois dessa postagem mais ainda...
Obs.: música é maravilhosa.

Tamara Lacerda disse...

Obrigada, Cris =D

Postar um comentário

Palavras bem-vindas...