quinta-feira, 29 de julho de 2010

Ser do amor

"A gente não percebe o amor
Que se perde aos poucos sem virar carinho.
Guardar lá dentro amor não impede,
Que ele empedre mesmo crendo-se infinito.
Tornar o amor real é expulsá-lo de você,
Pra que ele possa ser de alguém!"
(Nando Reis)



Como é sentir o que não existe?
Minhas teorias de amor não são nem um pouco sutis.

Como é ter saudade do que nunca se teve?
Sentir saudade e sentir falta são coisas distintas.

Como é se completar com quem ainda nem se conhece?
Mas a regra dos opostos que se atraem é dispensável pra mim, eu acho.

Como é sonhar, arquitetar e buscar algo que não passa de incerteza?
Amar alguém é amar antes que se ame quem existe.

São perguntas com respostas desconhecidas.
Aqui estão apenas considerações sobre o que ainda quero aprender.
É que na verdade eu acho que o que penso é pouco demais diante do
que é possível sentir; agora ou depois.


Tenho acumulado amor.
Pra quem?

.

8 comentários:

Giovanna I. disse...

Pra quem? Talvez pra você mesma, talvez amor pelo amor. Amor por amor, amar por amor...
"Amar alguém é amar antes que se ame quem existe." :)

Adorei o post! Beijos

Letícia M. disse...

Amor acumulado , também não é amor disperdiçado? Existe tanta gente cheia de acumulos por ai , esperando por um outro que esta tão acumulado quanto , a diferença é que existem pessoas que esperam e outras que se abrem para as oportunidades!
Amo Nando Reis , mas discordo o nosso amor não necessariamente deve ser de alguém e sim primeiramente nosso! Bem distribuido por todas as partezinhas do nosso corpo , bem acomodado , bem confortavel para que um outro invada e goste da "sua casa" ... Ah o amor , sempre gera longas filosofias baratas!

Um beijo , querida! Adorei a proposta do post!

Isadora disse...

eeeeeeeu tenho um poema parecido com esse post! um dia te mostro!

Wilian Bincoleto Wenzel disse...

Quando se tem o amor próprio transbordando pelas pequenas frestas da alma, o amor por um outro alguém acaba fluindo com mais facilidade. Mesmo quando ainda não sabemos de quem se trata.

Idealizar e imaginar esse tal personagem principal de nossas vidas pode ser uma experiência muito mágica, desde que os pés flutuem à poucos centímetros do chão.

Não precisei de muito para ver que junto desse Amor (sem dono) também há Sinceridade. Os dois juntos formam uma dupla imbatível.

E analisando o sorriso da foto e o conjunto de palavras de seu post, apenas peço à Deus que esse personagem principal chegue em tempo certo - quando a rosa já terá desabrochado e o perfume já estará caminhando por todo o jardim.

O meu beijo.

Rebeca Amaral disse...

Lindo demais isso!
Mas pior, flor, é quando você encontra esse amor, e esse acumulo não é mais o suficiente.
Amar nos torna mais afáveis. Curta isso.
Beijos!

Ellen Damaris disse...

as vezes axamos que é amor !
mas sempre nem é mas as vezes é ele msm !
sim batendo na nossa portas !
tudo lindo aqui
beeijos

Mreckziegel disse...

Show...
é..o amor é algo complicado..
Achamos q podemos entende-lo
mas no fundo..só quem entende, é quem ama

Larissa Campos disse...

"Como é ter saudade do que nunca se teve?"
"Como é se completar com quem ainda nem se conhece?"

Boas perguntas, as quais não existem respostas, infelizmente. Mas garanto, se tais respostas existissem, não conseguiriam aplacar o sofrimento que tais situações trazem. Mesmo sendo algo gostoso de se sentir e idealizar, o sofrimento muitas vezes é superior à sensação gostosa.
Um beijo.
Larissa

Postar um comentário

Palavras bem-vindas...