segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Maltratadeira

É inútil lutar contra a saudade.

Ela me aperta com seus braços de aço e me tortura com as lembranças que ela, mais do que ninguém, sabe atrair. E traz só melancolia!
A saudade é tão malvada que não nos dar a chance nem de correr, ela chega sem que possa ser percebida.
É um estado de espírito que não consegue fazer bem sem que traga aquela dorzinha no peito com vontade de fazer voltar àquele instante, aquela pessoa.
Nem o tempo é mais forte que ela.
A saudade não consegue ser boa nem quando nos faz sorrir, só de lembrar que aquele sorriso faz parte de um passado já é tristeza.
O passado, outro perverso, é cúmplice da saudade. Ele não nos devolve nada! Pode até devolver parecido, mas nunca igual.
Parece que quanto mais a gente quer esquecer, a saudade nos tormenta!
E se eu fingir que esqueci, ela deixa de apertar? Não, ela aperta ainda mais pra que eu admita que lembro.
Já perdi as contas de quantas vezes discuti com ela e acabei dando o braço a torcer, ou melhor, acabei deixando ela me abraçar, e em muitas ocasiões abraçar forte, muito forte, forte demais!
Hoje mesmo, estou roxa de tanto que ela me espremeu.

É inútil lutar contra a saudade, por isso procuro fazer parte dela.


Quando o Sono Não Chegar - Cordel do Fogo Encantado

2 comentários:

Tania T. disse...

Oiee

Você tem toda razão, não tem como fugir da saudade.. eu me rendo sempre..rsrs'

Lindo post, Tamara. Amei!!!


Obrigada pela visita ao meu blog, fiquei muito feliz ao ler seu comentário. Volte sempre.

Gosto muito do seu cantinho. Vou voltar mais vezes aqui!!! *-*

Beeijo

Rebeca Amaral disse...

saudade sempre machucando, não é? mas incorporar-se a ela, será que é válido...
amo Cordel! adorei o post!

beijos!

Postar um comentário

Palavras bem-vindas...