terça-feira, 28 de setembro de 2010

A menina, o eletromagnetismo e o sol.

  Para ele, a menina de cabelos cor do sol (sol nascendo, quase todo nascido) era um segredo. Ele era olhar, o olhar do sol sob os cabelos dela, que conhecia todos os segredos.
  Aqueles olhos emitiam tanta luz, que a menina não conseguia fixar os seus aos dele sem que sentisse um frio na barriga por entender tanto do que não precisara ser dito (um vocabulário inteiro de olhar). E talvez, por ela desviar seu rosto, é que a luz refletia em seu cabelo cobertor de timidez, dando-lhe cores.
  A menina tinha medo. Ele, tão convicto de suas ideias, sentia medo do medo dela. Como poderia amedrontar-se com o que não conhecia? Ele não sabia que, na verdade, o medo era o frio na barriga que ele causava nela. Agora sabe. Ora, ele causa o seu próprio medo então? Sim, mas é por culpa da sintonia que faz um sentir o mesmo que outro até quando não se sabe o que se sente.
  Falando em sintonia, aquela onda eletromagnética entre sol e cabelos, nada mais era do que um fruto daquilo que os dois não sabiam justificar, ou preferiam não querer saber. Aliás, eles sentiam, logo, qualquer justificativa se fazia desnecessária.
  Sintonizar, admirar e sentir formava um conjunto perfeito para tudo estar bem se não fosse um único contratempo: o pôr-do-sol. O dia estava perto de acabar e então o sol tinha que partir, levando embora a luz, o olhar e a cor. Ela sabia que ele não queria ir, ele sabia que por mais ela pedisse para que ele fosse não era o que ela queria também. Porém, para que chegasse um novo dia, ele tinha de ir.
  O sol se despedindo em direção oeste parecia tão triste. Mas, acredite, há beleza também na partida. O belo era saber que no dia seguinte ele voltaria com o mesmo brilho e iluminando a mesma cor de cabelo. A cor do sol ao amanhecer será sempre mágica, dia após dia, e mesmo se houver uma frequência diferente, existirá magia.
  Então o que há de errado na beleza do pôr-do-sol se a luz sempre voltará ao amanhecer? É que a noite tem sido longa. A menina e o olhar de sol estão separados pela escuridão da noite perversa. Os dois têm pensado muito na saudade.
  Hoje, a menina quer contar o segredo, mesmo imaginando que ele já saiba. Ela quer dizer que acredita muito no amanhecer e que a luz dele está com ela até mesmo nessa noite em que vivem, porque a lua faz lembrar o sol, a sintonia e o tempo.


  Haverá o tempo em que nem a noite conseguirá impedir o eletromagnetismo dos dois.

7 comentários:

Hugo Sheikispir disse...

Muito lindo seu texto... Parabéns... É tipo, quase uma história de amor entre o pôr-do-sol e a menina! Rsrs, eu conheço do mar e da menina... rsrs... lindo, as frases, os personagens, menos a noite! kkkk... Até mais, fica com Deus!

Ruan Andrade disse...

" Haverá o tempo em que nem a noite conseguirá impedir o eletromagnetismo dos dois. "

Nem a noite, nem nada.
Que o frio na barriga, se transforme em calor do sol.

Isabelle. disse...

Vim parar sem querer no seu blog, e me apaixonei logo de cara!
Tá de parabéns, já estou te seguindo, e passarei aqui sempre! :)

Mil beijos

alongaestrada disse...

olá :]

muito bonito seu texto... parece um conto infantil, mas com uma idéia tão ''complexa'' e simples ao mesmo tempo. o simples fato da ''paixão'', pura e simples; mas, também, a passagem do tempo e os benefícios que pode trazer, por mais que seja dolorosa.

''Sim, mas é por culpa da sintonia que faz um sentir o mesmo que outro até quando não se sabe o que se sente.'' muito foda viu ;) parabéns

bjs

Poemas e Amizades disse...

Tamara,
A beleza extraordinária desse conto-alegoria cala profundamente no coração de qualquer olhar de sol que tenha uma menina de cabelos cor de amanhecer para direcionar sua luz; tanto quanto no coração de qualquer menina de cabelos cor do sol, quando se lembra do único olhar de sol no mundo que lhe causa frio no estômago... A força poética desse texto maravilhoso tira lágrimas de qualquer olhar de sol cuja menina de cabelos de amanhecer está coberta pela longa noite da ausência; tanto quanto as tira da menina que olha para a lua e percebe que tudo existe para lhe trazer saudade do nascer do seu sol... Mas se há um lugar em alguma galáxia do Universo em que olhar de sol e menina de cabelos de sol se encontrarão sem que nem a noite possa impedir o eletromagnetismo, esse lugar é um planeta chamado amor. Nesse planeta, dizem as melhores línguas, o amor faz milagres e mágicas indescritíveis.
Estou definitivamente encantado com esse conto.
Abraço carinhoso, Tamara
Lello Bandeira

Bela Malta disse...

Inspirador seu texto!! Achei-o por acaso e não podia deixar de comentar, e elogiar a quem merece elogios...

Ana P disse...

Gostei! :)

Postar um comentário

Palavras bem-vindas...